23 de fevereiro de 2017

Independência Financeira

Os gafanhotos anciões contam a lenda de uma misteriosa criatura mitológica, que até pouco tempo atrás havia se apresentado para apenas um grupo seleto de pessoas. Essa criatura, diz a lenda, possui a incrível habilidade de sobrevoar todos os cantos do mundo, dia após dia, distribuindo rendimentos para aqueles que se prepararam durante muitos anos, poupando e investindo seu dinheiro de maneira planejada e inteligente.

Até alguns anos atrás, poucos haviam visto ou ate mesmo ouvido falar desta criatura. Porém, com a expansão da internet, e, consequentemente, da troca de informações entre as pessoas, esta criatura tem ganhado fama mundo afora. Sua habilidade de distribuição de rendimentos é cobiçada por muitos. Inúmeras pessoas dedicam anos de suas vidas para encontrá-la, renunciando, ao longo do caminho, muitas crenças falsas e práticas auto destrutivas. Dos que já a encontraram, quase todos afirmam que a busca pela criatura foi mais recompensadora do que o encontro em si, pois foi uma incrível jornada de auto descoberta, invocando forças extraordinárias de auto controle e disciplina, moldando uma mente adepta ao planejamento e estratégias.

É possível hoje encontrar diversas informações e até mesmo definições sobre esta criatura. Por ser tão mística, cada pessoa tende a interpretá-la com base em sua própria experiência de vida e desejos particulares. Existem diversos autores que afirmam possuir o guia certo para o encontro desta criatura, alguns focando em apresentar o caminho mais rápido, outros o caminho mais aproveitoso, outros até mesmo o caminho mais fácil. Aqui, para manter o padrão, vamos abordar o caminho menos sério para encontrar esta criatura espetacular. Para começar, vou divulgar, pela primeira vez, uma imagem baseada em relatos de primeira mão daqueles que já tiveram a honra de encontrar a criatura em seu habitat natural:

A lendária Independência Financeira

O nome desta criatura mitológica é Independência Financeira.



O que é a independência financeira

A primeira coisa a ser entendida é que a independência financeira realmente possui alguns atributos místicos, no sentido de que é possível criar diferentes definições do que ela representa. A definição mais básica é que a independência financeira é a condição de possuir riqueza pessoal o suficiente para que não seja mais necessário trabalhar para suprir os gastos totais. Outras definições quebram a independência financeira em diferentes estágios (independência financeira dos pais, independência financeira dos gastos básicos para sobrevivência, independência financeira para cobrir todos os gastos relacionados ao padrão de vida desejado, etc).

Já sabemos que nesse blog os assuntos sempre serão analisados desde a raiz, até a última folha, pois o entendimento precisa ser completo. Ambiguidade ou ignorância (falta de informação) são os maiores inimigos na batalha das finanças pessoais. É a diferença entre a ruína e o sucesso. Então, precisamos alinhar um ponto importante sobre a independência financeira: ela é um paradoxo inatingível. Ela é o pote de ouro no fim do arco-íris. Mais ainda, ela é um unicórnio cor de rosa que caga arco-íris com potes de tesouro.

A independência financeira, independente de como for definida, não pode ser atingida. Nunca será possível encontrar uma situação onde a riqueza pessoal gera a renda necessária para suprir todos os gastos pessoais sem precisar trabalhar. Destaquei a parte mais importante da frase anterior, pois é onde se forma o paradoxo (é o momento em que o unicórnio começa a cagar o arco-íris). Em física, a Lei da conservação da energia explica que energia não se cria, apenas se transforma. Este conceito se aplica também às finanças. Dinheiro não surge do nada, ele só pode ser obtido através de alguma força exercida. Precisa sempre existir alguma força para que o dinheiro apareça ou se multiplique.

Você pode juntar uma quantidade invejável de dinheiro de diversas formas. A mais simples é trabalhando muito e gastando pouco. Você pode também abrir uma empresa bem sucedida. Ou então casar com alguém muito rico ou ganhar na Mega Sena. As opções são infinitas. Quando você possuir dinheiro suficiente para não precisar mais trabalhar (ou não precisar mais exercer os esforços que o fizeram acumular a riqueza), vivendo apenas do rendimento ou do gasto do montante acumulado, ai você atingiu a independência financeira. Certo? Ráaa, pegadinha do Malandro! Salci FuFu, Bilú Tetéia!

Independência financeira sem trabalho é pegadinha do Malandro

Você nunca vai "não precisar mais trabalhar". Você pode largar seu emprego, sua empresa ou seu esposo rico, mas ai vem a segunda - e eterna - etapa de trabalho da independência financeira. Você precisará trabalhar para gerir o seu dinheiro e garantir que ele não acabe, pois se ele acabar ou reduzir consideravelmente, você perderá sua independência financeira e terá que voltar a trabalhar (ou abrir outra empresa ou casar novamente). O trabalho e desgaste de gerir grandes quantias de dinheiro são tão avassaladores quanto o desgaste sofrido durante o período de acumulo de capital. Você terá uma eternidade de trabalho de gestão financeira pela frente. Volto a dizer que there is no free lunch. Se você embarcou na busca pela criatura mitológica da independência financeira, você precisa desde já entender que será necessário continuar trabalhando após encontra-la. Este trabalho, porém, será "apenas" a gestão do seu dinheiro.

Vimos então que as definições atuais da independência financeira são contos de fada. Uma definição mais adequada da independência financeira seria a condição de possuir riqueza pessoal o suficiente para que todos os gastos pessoais sejam cobertos apenas através da gestão da riqueza acumulada e seus rendimentos. Em outras palavras, a independência financeira sem trabalho é impossível.  Nunca será possível abandonar tudo e ir curtir a vida, independente da quantidade de dinheiro acumulado. Sempre existirão cisnes negros (teoria detalhada por Nassim Taleb, um dos maiores economistas vivos, representando surpresas devastadoras que abalam o mundo de tempos em tempos) que podem te dar uma voadora repentina, resultando na necessidade de ações drásticas no seu portfólio (conjunto de investimentos) para garantir que ele não será criticamente reduzido ou até mesmo totalmente corroído.

Voadora repentina de um cisne negro

Especialistas alegam que a alocação de portfólio, técnica onde os investimentos são distribuídos em diferentes tipos de ativos, reduz drasticamente o impacto de crises econômicas e cisnes negros durante a independência financeira. Porém, isto é uma aposta. Qualquer coisa que tem 0,01% de chance de não ser favorável é, na realidade, uma aposta. 

No mesmo livro em que Taleb explica a lógica do cisne negro, ele propõe a análise da vida de um peru nos Estados Unidos. Nos Estados Unidos, o peru passa 364 dias do ano achando que a vida é linda e perfeita, só comendo e procriando. Ai vem o dia de Thanksgiving e tudo desaba, ao virar o jantar de alguma família faminta. A vida de um peru possui uma probabilidade de 99,73% dos dias serem bem divertidos (364/365), e apenas 0,27% de terminar em desastre (1/365). Ai chega o momento em que ele é abatido, do nada, sem nenhum aviso ou sinal de que a vida dele seria destruída, independente da altíssima probabilidade dele ter um dia bom. 

A independência financeira deve ser encarada da mesma forma. Devem estar constantemente presentes o trabalho de gestão do portfólio, o contínuo aprendizado e também a atualização sobre os acontecimentos econômicos e políticos, tanto locais quanto regionais e globais. A absoluta independência financeira nunca será possível, pois o dinheiro sempre estará sujeito as ações do governo, da economia ou dos inimagináveis cisnes negros. 

Cenários da independência financeira

Por ser uma criatura mística, não é nenhuma surpresa a independência financeira ter a habilidade de se manifestar em diferentes maneiras. Ela não possui uma forma única, se apresentando para cada pessoa de acordo com as necessidades de cada um. Visando examinar os hábitos desta criatura lendária, podemos seguramente categorizar suas aparições em três formatos distintos:

Formato 1 da independência financeira
Neste formato, a independência financeira se materializa através do pagamento de todos os gastos pessoais apenas com a utilização do rendimento de um montante de dinheiro acumulado ao longo do tempo. O montante acumulado em si nunca é tocado, sendo reajustado periodicamente pela inflação local para que seu poder de compra não seja reduzido. Este é o formato mais seguro e com maior tranquilidade, pois o dinheiro sempre permanecerá o mesmo, até o último dia de vida. A chance de existirem problemas financeiros é mínima, especialmente se houver a gestão adequada do portfólio. E neste caso, no momento em que morrer, ainda será possível deixar uma incrível herança para familiares e/ou caridades.
Simulação (os cálculos abaixo são baseados na Taxa Segura de Retirada, que será explicada em detalhe na seção "Conceito de TSR" abaixo):
Para ter uma gasto mensal de R$10.000 coberto por este formato, seria necessário ter R$3.000.000 investidos e gerenciados cuidadosamente em intervalos regulares. Com R$3.000.000 investidos de maneira inteligente e sacando apenas R$10.000 por mês, é improvável que o dinheiro acabe antes da sua morte. Num investimento conservador como o Tesouro Direto Selic com pagamento de juros semestrais, por exemplo, esses R$3.000.000 renderiam algo em torno de R$90.000 a cada seis meses ou R$15.000 por mês, após inflação. Ao descontar o imposto de renda e taxas administrativas, você teria líquido um valor em torno de R$12.000.


"Você do presente" e "você do futuro" felizes

Neste formato, demoraria um pouco mais para obter o montante de dinheiro necessário, adiando brevemente a independência financeira, porém você teria a garantia de um futuro relativamente tranquilo. Tanto o "você do presente" quanto o "você do futuro" ficam felizes com essa opção.

Formato 2 da independência financeira
O segundo formato envolve juntar um montante de dinheiro grande o suficiente para pagar todas as despesas até o último dia de vida, sem precisar de rendimentos. Neste caso, as despesas seriam pagas subtraindo do montante principal. Este formato é o que mais se aproximaria de uma independência financeira sem trabalho, pois não seria necessário o trabalho da gestão do portfólio. O trabalho se resumiria apenas em garantir que o dinheiro não seria roubado, confiscado pelo governo ou algo bizarro similar. Apesar de ser o formato mais tranquilo de gerenciar, ele é o mais improvável de acontecer, pois seria necessário acumular uma quantia enorme para garantir que o dinheiro não acabaria antes do último dia de vida. Sem contar que seria extrema tolice manter uma quantia como esta parada em uma conta corrente, acumulando pó. Como pode ser observado nas simulações abaixo, esse formato não faz muito sentido, apesar de ser muito relaxante para quem possui vastas quantias de dinheiro.
Simulação:
Considerando um gasto mensal de R$10.000, corrigidos anualmente por uma inflação de 5%aa, seria necessário possuir os seguintes montantes, com base nos anos de vida previstos com independência financeira:
50 anos (uma pessoa de 50 anos que pretende viver mais 50): R$27.250.000
60 anos (uma pessoa de 40 anos que pretende viver mais 60): R$47.150.000
70 anos (uma pessoa de 30 anos que pretende viver mais 70): R$80.260.000 


"Você do presente" e "você do futuro" tristes

Neste formato, demoraria MUITO para obter o montante de dinheiro necessário, adiando MUITO a independência financeira, e mesmo assim você estaria colocando em risco seu futuro, caso viva mais do que o planejado ou aconteça algum imprevisto que exija uma retirada maior de dinheiro em alguns meses. Neste caso, nem o "você do presente" ou o "você do futuro" ficariam felizes.

Formato 3 da independência financeira
O terceiro formato se baseia na teoria de acumular um montante suficientemente grande onde, ao longo do tempo, o montante será consumido (o principal), junto com os rendimentos (juros dos investimentos), de maneira que no último dia de vida o total de dinheiro será R$0,00. Este formato é bastante arriscado, pois envolve a estipulação de quantos anos serão vividos e também a redução constante do dinheiro acumulado. Psicologicamente, este formato é o mais fatigante, pois seu dinheiro irá diminuir todo mês e você terá apenas a fé que fez os cálculos corretamente para manter-se sano.
Simulação
Considerando os mesmos R$10.000 de gastos mensais, corrigidos anualmente por uma inflação de 5%aa, seria necessário possuir os seguintes montantes, com base nos anos de vida previstos com independência financeira:
50 anos (uma pessoa de 50 anos que pretende viver mais 50): R$2.150.000
60 anos (uma pessoa de 40 anos que pretende viver mais 60): R$2.230.000
70 anos (uma pessoa de 30 anos que pretende viver mais 70): R$2.280.000


Esta simulação é bastante interessante, pois ela aponta uma diferença muito pequena entre os valores necessários para viver 50, 60 e 70 anos com independência financeira. Isto acontece, pois nos primeiros anos o dinheiro investido diminui pouco, pois pouco é removido do montante inicial, com os juros cobrindo a maior parte dos gastos. Nos últimos anos, porém, os gastos são cobertos quase totalmente pelo montante inicial, com os juros tendo pouca utilidade devido ao baixo valor investido. Na simulação de 70 anos, por exemplo, você seria milionário até o ano 60 da independência financeira. Ai, de repente, nos próximos 10 anos o dinheiro todo se acaba, chegando a R$0 no ano 70, pois o rendimento de R$1.000.000 não cobre nem de perto os gastos mensais de R$10.000.

"Você do presente" feliz "você do futuro" triste

Neste formato, demoraria BEM menos para obter o montante de dinheiro necessário, antecipando MUITO a independência financeira, mas você também estaria colocando em risco seu futuro, similarmente ao formato 2. O "você do presente" ficaria feliz por trabalhar menos tempo, mas o "você do futuro" ficaria bem triste com a possibilidade do dinheiro acabar antes da hora.

Entendendo estas três possibilidades acima, fica claro que o caminho mais interessante para a independência financeira é através do formato 1, onde os gastos serão cobertos 100% pelo rendimento dos investimentos, nunca colocando em risco seu bem estar financeiro.

Conceito de TSR

Partindo do princípio que o formato 1 é o mais sensato para usufruir a independência financeira, torna-se importante revisar o conceito de TSR - Taxa Segura de Retirada, pois ela é o coração deste formato. Os cálculos relacionados a este formato devem utilizar a TSR para garantir que sempre existirá dinheiro suficiente para cobrir todas as depesas mensais.

A TSR vem do inglês SWR - Sustainable Withdrawal Rate (normalmente chamada de Safe Withdrawal Rate), que se tornou popular com a publicação de um estudo em 1998 de três professores de finanças da Trinity University. Este estudo, popularmente conhecido como Trinity Study, determinou que um portfólio mesclado de ações e títulos públicos pode ter um saque anual de 4% sem perder valor após um período de 30 anos. 


Trinity Study

Os três professores estudaram diversos cenários no período de 1925 a 1955 da economia americana e chegaram a conclusão que durante todo esse período, um portfólio com saques de 4% ao ano possuiria uma probabilidade baixíssima de perda de valor ao longo do tempo. Apesar do estudo contemplar um período de 30 anos, pode ser considerado que esta conclusão se aplica a qualquer período, até mesmo um período ilimitado. Obviamente, a TSR é um guia geral, podendo ser ajustada em momentos específicos ao longo dos anos. Em momentos de crise econômica, pode ser necessário reduzir um pouco a taxa, para dar fôlego aos investimentos. Em tempos de prosperidade, pode ser utilizado mais que os 4%, desde que os investimentos se mantenham saudáveis.

Como a TSR funciona na prática? Basicamente, tudo o que você precisa fazer é definir seu gasto anual desejado durante a independência financeira (a soma dos seus gastos mensais desejados) e multiplicar por 25. O resultado dessa conta é quanto você precisará ter investido para se manter financeiramente independente perpetuamente, desde que seja sacado no máximo 4% por ano. O cálculo é simples e o resultado é fiel. Utilizando o formato 1 de independência financeira e a TSR, o rendimento anual dos investimentos será, no longo prazo, maior que o saque de 4% feito todo ano. Desta forma o portfólio passará por longos períodos sem diminuir seu valor ou o seu poder de compra. A fórmula abaixo é comumente chamada de fórmula mágica da aposentadoria:

Taxa Segura de Resgate = 4% * (gastos anuais desejados * 25)

Como se preparar para a independência financeira

Agora que você já sabe o que é esta lendária criatura e também seu melhor formato de apresentação, resta apenas entender como alcançar a tão cobiçada independência financeira. São necessárias diversas habilidades para que seja possível dominar esta criatura selvagem. Atingir a independência financeira é como se tornar um habilidoso sniper (franco-atirador) de extrema longa distância. O sniper precisa treinar e praticar por muitos anos, aprendendo a lidar com fatores diversos, como a direção e velocidade do vento, densidade do ar, altitude, influência da rotação da Terra na trajetória da bala, e o ponto de impacto. Um erro mínimo de estimativa na parte do sniper se torna um erro grosseiro, pois cada milimetro percorrido pela bala torna o erro cada vez maior, resultando na total perda do alvo ou então em um ferimento não letal. Um verdadeiro sniper sempre acerta seu alvo, e seu disparo sempre é letal.


Gafasniper

Para nossa sorte, não somos snipers e não temos a pretensão de tomar vidas. Temos o privilégio de estarmos apenas brincando de finanças, algo bem menos sério e muito mais agradável. Mesmo assim, similarmente a um sniper, a pessoa que conquistou a independência financeira passou por um longo período de preparo, aprendendo tudo que poderia sobre finanças pessoais, fazendo muitos erros e acertos, e aprendendo a melhor maneira de atingir seus alvos financeiros.

A trajetória para se tornar financeiramente independente envolve o acumulo de dinheiro. Como vimos acima, o total necessário de dinheiro acumulado dever ser 25 vezes os seus gastos anuais. Ao sacar todo ano 4% do seu dinheiro acumulado, você terá sua independência financeira garantida até seu último dia de vida (momento em que você ainda deixará uma bela herança para seus familiares, amigos ou caridades), pois os juros dos investimentos cobrirão as retiradas no longo prazo.

A melhor maneira de acumular dinheiro envolve garantir uma prática sustentável de sempre ter mais dinheiro entrando no seu bolso do que saindo. A velocidade com que a independência financeira é conquistada depende diretamente da proporção entre dinheiro que sai e dinheiro que entra. A matemática por trás disso é relativamente simples. Se você gasta 100% ou mais do que você ganha, você nunca terá independência financeira. Se você gasta 0% do que você ganha, parabéns, você já possui independência financeira. Mas os números realmente ficam interessantes quando você gasta algum valor entre 99% e 1% do que você ganha.

A partir do momento em que sobra pelo menos 1% do seu dinheiro, ele pode ser investido. Quando seu dinheiro é investido, ele começa a trabalhar por você, acumulando juros sem que você tenha esforço algum. Se todo mês você consegue investir 10% do seu salário, seria como se todo mês você pudesse criar um gafanhotinho para sair pelo mundo trabalhando em seu nome e te trazendo riquezas periodicamente. 


1% do seu dinheiro trabalhando a seu favor

Se você consegue guardar 50% do seu salário, você tem um gafanhotão todo mês entrando no mundo apenas com a finalidade de trabalhar para você e te tornar mais rico.

Ao longo do tempo, investindo mensalmente um percentual dos seus ganhos, você terá um grande número de gafanhotos espalhados pelo mundo com a função unica e exclusivamente de trabalhar para te tornar mais rico. Você atinge a independência financeira no momento em que apenas o trabalho dos seus gafanhotos é o suficiente para pagar todas as suas contas.


Seus investimentos ao longo do tempo trabalhando a seu favor

E quanto tempo leva para acumular o suficiente de gafanhotos trabalhadores para poder parar de trabalhar? Isso depende diretamente de quantos gafanhotos trabalhadores você consegue colocar no mundo em relação aos seus gastos. Veja abaixo uma relação de quanto tempo levaria para atingir a independência financeira baseado em quanto você gasta em relação ao dinheiro que você ganha todo mês. Esta relação parte do princípio que você possui R$0 guardado e que você conseguirá um retorno de 5% de juros reais (acima da inflação) ao ano. E, claro, que você irá seguir a TSR durante todo o período após a independência financeira, vivendo apenas dos rendimentos.


Tempo de trabalho até atingir a independência financeira

Se você conseguir viver gastando apenas 35% do dinheiro que você ganha todo mês, em 10 anos você poderá parar de trabalhar, pois seus gafanhotos estarão trazendo todo o dinheiro que você precisa para viver. Trabalho se tornará uma opção e não mais uma necessidade. Se você gasta 90% do seu dinheiro, serão necessários 50 anos de trabalho para que seus gafanhotos tenham força o suficiente para cobrir todas as suas despesas.

Existe um mito no mundo financeiro de que guardar 10% do salário é uma imensa conquista. Este mito foi inventado pela sociedade para garantir que cada pessoa trabalhará 50 anos da sua vida, sem poder se aposentar num prazo razoável. Você deverá partir da meta de gastar, no máximo, 70% do seu dinheiro todo mês, resultando em 28 anos de trabalho até atingir a independência financeria. Se você começar a trabalhar com 18 anos, você estará financeiramente independente com 46 anos, sem precisar contar com a aposentadoria do governo ou a ajuda de familiares até seu último dia de vida. Se você está buscando a independência financeira no curto prazo, seu objetivo deve ser gastar menos que 30% do seu dinheiro todo mês, resultando na independência financeira em menos de 9 anos.

Você agora pode pensar, "Falar é fácil! Como vou conseguir gastar apenas X% do meu dinheiro todo mês? Eu mal consigo pagar minhas contas! Mimimi, a vida é injusta!" Mas você estaria totalmente equivocado ao pensar desta forma. Sempre existem maneiras de ganhar mais dinheiro e gastar menos do dinheiro que você ganha. Qualquer estilo de vida pode ser otimizado para atingir este objetivo. Na próxima postagem serão discutidas algumas maneiras de colocar mais gafanhotos para trabalhar para você todo mês e também será analisado o caso de um leitor deste blog que gostaria de encurtar a distância até a sua independência financeira.

Curta, compartilhe e siga, pois só teremos diversão pela frente!
Que seu patrimônio se multiplique até acabar! Que sua vida seja eterna enquanto durar!

3 comentários:

  1. Ótimo texto!
    Parabéns pela didática!
    Também estou em busca dessa criatura mitológica.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Estamos juntos na busca por essa danada!

      Excluir
  2. Se você está procurando apartamentos de alto padrão na praia, conheça a Riviera de São Lourenço. Um ótimo lugar para investimentos!

    ResponderExcluir